Consumo de álcool antes da primeira gravidez pode aumentar o risco de câncer de mama

Segundo uma pesquisa divulgada no mês de agosto e realizada pela Faculdade de Medicina da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, mulheres que bebem álcool entre a primeira menstruação e a primeira gravidez correm maior risco de câncer de mama do que aquelas que passaram a beber somente após a primeira gravidez. De acordo com os autores, é possível que os tecidos mamários sejam particularmente sensíveis ao processo de formação do câncer.

O estudo foi feito com base nos dados de 91.005 mulheres que deram à luz quando tinham de 25 a 44 anos e que nunca haviam apresentado câncer. As participantes responderam a um questionário sobre consumo de álcool e estilo de vida em 1989 e voltaram a ser avaliadas vinte anos depois.

Ao final da pesquisa, foram registrados 1.609 casos de câncer de mama. O estudo descobriu que mulheres que ingeriam pelo menos 15 gramas de álcool diariamente — uma quantidade equivalente a duas doses de uma bebida destilada — apresentaram um risco 34% maior de ter câncer de mama do que aquelas que nunca bebiam.

A pesquisa também concluiu que quanto maior o período compreendido entre a primeira menstruação e a primeira gravidez, mais elevado o risco de câncer de mama. Entre as mulheres que não bebiam, aquelas que levaram mais de dez anos para engravidar a partir da menarca tiveram um risco de 26% a 81% maior de desenvolver a doença em comparação com as participantes cujo período foi menor. Para os autores do estudo, reduzir o consumo de álcool durante esse período pode ser uma estratégia de prevenção contra o câncer de mama.